Curso de Especialização em Ortodontia - Turma 32 - 25/07 Curso de Especialização em Ortodontia - Turma 32 - 25/07

Modelos digitais na ortodontia: entenda como são utilizados!


Modelos digitais na ortodontia

A ortodontia tem na tecnologia digital uma grande aliada. Ao longo dos anos diferentes recursos vêm sendo desenvolvidos para tornar os tratamentos ortodônticos ainda mais precisos, oferecendo uma experiência melhor para ortodontistas e pacientes.

Podemos destacar, nesse caso, a criação de modelos digitais na ortodontia, que facilita muito a rotina de dentistas. No Brasil, esses modelos vêm sendo utilizados desde 2015, influenciando a maneira como profissionais da área planejam a correção de sorrisos. As radiografias e fotografias digitais estão substituindo os métodos convencionais.

Essa mudança se dá devido às vantagens que o digital oferece, sendo uma evolução natural em toda área profissional, diante dos avanços científicos e tecnológicos.

Entenda a seguir o que são os modelos digitais, como são utilizados na ortodontia e por que são vantajosos!

O que são modelos digitais na ortodontia?

Modelos digitais são o que há de mais moderno dentre as formas existentes na ortodontia. Podem ser aplicados em diagnóstico, planejamento, setup virtual e avaliações de movimentos da arcada dentária, servindo de base para os tratamentos ortodônticos.

São obtidos a partir do escaneamento e confeccionados por meio de diferentes métodos. Você verá esses métodos mais à frente. Mas antes vamos falar das vantagens do modelo digital em relação ao convencional.

Destacam-se como principais vantagens da utilização do modelo digital na clínica odontológica os seguintes aspectos:

  • Agilidade na confecção do modelo de estudo sem risco de fraturas;
  • Melhora significativa na comunicação entre dentistas e laboratórios de prótese;
  • Maior precisão na medição de valores em análises de modelo e na confecção de setups;
  • Maior previsibilidade sobre os tratamentos, melhorando a relação entre dentistas e pacientes;
  • Redução do espaço físico necessário para o arquivamento desses modelos.

Por essas razões que tantos profissionais estão adotando esse método em seus consultórios. Agora, conheça um pouco mais sobre os seus métodos de confecção!

Métodos de confecção dos modelos digitais na ortodontia

Existem duas formas de confeccionar os modelos digitais na ortodontia, as quais são chamadas de método indireto e método direto.

O método indireto pode ser realizado pelo escaneamento de modelos de gesso e moldagens. Já no método direto, o modelo digital pode ser adquirido pelo escaneamento intrabucal ou pela TCFC do paciente. Entenda como cada um deles funciona!

Método indireto

A sequência do processo de escaneamento de modelos de gesso consiste, normalmente, em escanear o modelo superior, o modelo inferior e, depois, os modelos ocluídos, para obter a relação interarcadas dos modelos digitais.

Após essa etapa é realizado o ajuste sagital, vertical e transversal da intercuspidação, o acabamento (remoção de bolhas e irregularidades) e a criação das bases virtuais, superior e inferior.

Ao escanear os modelos de gesso, o possível desajuste interarcadas dos modelos digitais é minimizado pelo registro dos modelos em oclusão, durante o seu escaneamento, o que o torna confiável.

Método direto

O método direto pode ser pela aquisição de modelos digitais pela TCFC do paciente e pelo escaneamento intrabucal.

A TCFC fornece diversas informações não contidas nos modelos digitais, como a posição de dentes, a anatomia radicular, espessura e nível ósseo e avaliação da articulação da região temporomandibular.

O escaneamento intrabucal é uma ferramenta vantajosa para o ortodontista pela rápida aquisição do modelo digital quando comparado ao método indireto, onde é necessário moldar o paciente. Assim, ele evita qualquer distorção tanto no ato da moldagem quanto no de modelagem em gesso.

O sistema de escaneamento intrabucal elimina algumas etapas, tais como:

  • Seleção de moldeiras;
  • Preparação e uso de materiais de moldagem;
  • Desinfecção do molde;
  • Vazamento em gesso;
  • Recorte de modelo;
  • Duplicação de modelo; e
  • Envio ao laboratório.

O scanner intrabucal captura os elementos presentes na cavidade bucal do paciente de forma direta e envia os dados para um computador.

Precisão e confiabilidade dos métodos

A precisão dos modelos digitais depende, em um primeiro momento, da precisão da moldagem. Quando escaneada, ela também deve ter estabilidade dimensional, em virtude do intervalo de tempo entre o ato da moldagem e o escaneamento propriamente dito.

Os modelos digitais vão se tornar em breve uma referência global em termos de planejamento e diagnóstico na clínica odontológica. Portanto, se informe sobre essa tecnologia.

Baixe o nosso eBook Gratuito: Como o dentista pode se preparar para o mercado de trabalho para saber essas e outras informações importantes!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *